Notícia

Com apoio da Prefeitura, produção de feno garante alimentação do rebanho no inverno

Compartilhar:
10 de mar de 2020 Agricultura e Meio Ambiente
Imagem Com apoio da Prefeitura, produção de feno garante alimentação do rebanho no inverno
Com apoio da Prefeitura, produção de feno garante alimentação do rebanho no inverno

Uma das ações do Programa Pró-Leite, desenvolvido pela Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente de Umuarama para aumentar a produção leiteira com apoio aos produtores, é a suplementação alimentar dos rebanhos. A Prefeitura oferece horas-máquina de tratores e pá-carregadeira para correção e preparo do solo, reforma de pastagens e também equipamentos e acompanhamento técnico para a produção de feno, uma forragem que garante a alimentação do gado em períodos de seca e inverno rigoroso.

Várias propriedades já aderiram à prática, realizada gratuitamente pela equipe da Agricultura da Prefeitura. “O produtor precisa conhecer novas técnicas para não deixar faltar alimento ao rebanho. Com as temperaturas altas e a chuva abundante no verão há excesso de alimento num período do ano. Já no inverno, que costuma ser frio e seco, há escassez. É fundamental se antecipar aos fatores climáticos e estocar alimento para o rebanho no período de fartura”, explicou o diretor de Agricultura e Pecuária da Prefeitura, Vinícius Chimenez.

Nas grandes propriedades é comum a produção de silagem, com o cultivo de milho e outras culturas em áreas consideráveis. Nos sítios menores, porém, nem sempre há espaço para agricultura, pois quase toda a área é ocupada por pastagens. Como a produção de gramíneas atinge o pico nos meses mais quentes, a fenação permite armazenar o excedente.

“Os fardos de feno praticamente não ocupam espaço na propriedade, pleo pequeno tamanho, e são muito bem-aceitos pelo gado, permitindo a oferta regular de alimento o ano todo”, explicou Vinícius. O feno é uma mistura de plantas ceifadas e secas, gramíneas e leguminosas, usada como forragem mediante a desidratração, que retira a água e o valor nutritivo. “Outra vantagem é o longo período que o material pode ser armazenado sem estragar, até mais de um ano desde que não tenha contato com umidade”, acrescenta.

O sítio dos irmãos Jeferson e Marcelo Zubioli, na Estrada Jurupoca, é um exemplo. Em 3.900 m², com a equipe da patrulha mecanizada da Prefeitura, eles conseguiram produzir 405 fardos de feno de aproximadamente 7 quilos cada, que permitirão alimentar o rebanho por quase dois meses, quando for necessário. Até o inverno, é possível dobrar ou até triplicar esse volume.

“A colheita e a produção dos fardos aconteceu na última sexta-feira, 6. Agora eles vão adubar novamente a terra e em 40 a 60 dias poderão fazer a segunda colheita, e talvez até uma terceira antes do frio chegar. Terão alimento armazenado para o gado por um bom tempo e praticamente a custo zero”, disse o diretor de Agricultura e Pecuária.

ACESSÍVEL

O Pró-Leite atende hoje cerca de 70 produtores no município, porém poucos ainda tiveram contato com a produção de feno. “É uma técnica inovadora na região, que está sendo disseminada agora pela Prefeitura. O investimento nos equipamentos é um relativamente alto para os pequenos produtores, mas com apoio da Prefeitura praticamente todos eles poderão utilizar esse tipo de forragem daqui para frente”, explicou o agrônomo Anderson Quinalia, que acompanha o trabalho de campo. “O produtor só tem que deixar a grama crescer. A equipe da Prefeitura vai fazer a colheita e a compactação em fardos, depois é só armazenar corretamente e oferecer ao gado, quando necessário”, completou.

O prefeito Celso Pozzobom defende a profissionalização da atividade agropecuária não apenas para melhorar a arrecadação do município, mas principalmente para dar mais segurança e qualidade de vida aos pequenos produtores. “A Prefeitura tem os técnicos, o equipamento e a mão de obra treinada. Basta o produtor aderir ao programa e fazer a sua parte, para ver a produção aumentar. Queremos que nosso rebanho atinja níveis elevados de produtividade, inclusive com a doação de novilhas de alta linhagem, o que é bom para todos os envolvidos na cadeia produtiva”, resumiu Pozzobom.

 

Vídeos desta notícia: clique aqui

Visualizar imagens Flickr