Notícia

Meio Ambiente investiga morte de árvores com suspeita de envenenamento

Compartilhar:
4 de abr de 2018 Agricultura e Meio Ambiente
Imagem Meio Ambiente investiga morte de árvores com suspeita de envenenamento
Meio Ambiente investiga morte de árvores com suspeita de envenenamento

Apurando denúncias de moradores e pessoas que frequentam o comércio de Umuarama, uma equipe da Diretoria de Meio Ambiente da Prefeitura tem investigado a morte por envenenamento de uma série de árvores que compõem a arborização urbana e, portanto, são de responsabilidade e propriedade da administração municipal. A prática configura crime ambiental e os autores podem ser punidos conforme a lei 9.605/1998.

O diretor de Meio Ambiente do município, Matheus Michelan Batista, disse que infelizmente a prática tem se tornado comum. “É grande o número de investigações que realizamos e, sempre que há indícios de que a morte da árvore tenha sido provocada por envenenamento ou contaminação por produtos tóxicos – como o óleo diesel –, nós confeccionamos um parecer técnico que é entregue à Polícia Ambiental do Paraná. Neste caso, moradores das imediações, proprietários ou inquilinos de residências e prédios comerciais, são intimados a prestar esclarecimentos”, explicou.

O principal indício de envenenamento é a morte rápida da árvore e o apodrecimento do tronco. “A Polícia Ambiental presta auxílio à Diretoria de meio Ambiente e, havendo suspeita de crime ambiental, o caso passa a ser tratado por eles. Em caso de flagrante, o responsável é levado para prestar depoimento, indiciado em termo circunstanciado e responde por crime ambiental”, reforçou Matheus Batista.

Nos últimos dias, foram registradas mortes de cinco árvores da espécie sibipiruna, com suspeita de envenenamento – são quatro exemplares na rua Turiaçu e uma na Avenida Paraná, região central da cidade. “Algumas delas apresentavam furos no tronco, por onde o veneno provavelmente foi injetado. Na Avenida Paraná, havia sinais claros de contaminação por óleo diesel, inclusive pelo cheiro forte do combustível”, explicou.

Com o apodrecimento do tronco a Prefeitura se vê obrigada a erradicar a planta, pois com o tempo ela pode se tornar perigosa para os moradores, e futuramente outras mudas devem ser cultivadas para recuperar a arborização. “Serão necessários vários anos para que outra árvore atinja porte semelhante ao das árvores envenenadas. A orientação que repassamos é que, havendo qualquer suspeita de crime ambiental, ou mesmo necessidade de poda e corte de árvores que estejam ameaçando a segurança da população, que a Diretoria de Meio Ambiente seja avisada, para tomas as providências”, completou Matheus Batista. O telefone é o mesmo da Prefeitura (3621-4141), no ramal 162.